A alegria não está nas coisas.

Não cansamos de buscar!

Se buscamos é porque estamos carentes. Todos somos necessitados. Alguns de comida, outros de abraços. O ser humano vive a sensação da ausência. Ausência essencial do Pai eterno, que sabemos que existe, mas não vemos. Que queremos tocar, mas não podemos fazê-lo fisicamente. Muitos se revoltam contra esta ausência e pela não democratização da bênção, como filhos revoltados, não querem qualquer contato com Ele. De fato, gostariam que Ele não existisse. Seria Ele um Pai ausente? Ou somos, muitos de nós, “filhos ausentes” transferindo responsabilidades?

Mas o buraco está lá, dentro de nós!

Na busca de suprir nossas carências, acumulamos.
Acuulamos relacionamentos, acumulamos bens. Acumulamos sonhos…

Se eu tiver um namorado, serei feliz!
Se eu tiver uma família, aí sim, serei feliz…
Este apartamento é tudo que eu preciso para ser feliz, como ele é.
Este carro me fará poderoso e, portanto, feliz!

Buscamos ansiosamente saciar nossas carências por meio de coisas e pessoas para sermos felizes. Mas alegria está dentro de nós, não fora.
Já disseram muitas vezes (e eu muitas outras já repeti) que a felicidade não é um destino a ser encontrado, mas uma forma de viajar.

Naturalmente que há ausências muito dolorosas e sim, suprí-las traz sensação de seguança. Portanto, nada como uma boa refeição ao faminto. Nada como um beijo apaixonado ao desiludido. Contudo, são sensações temporais e fugazes, posto não satisfazerem a falta essencial, que continuará lá. Falta de comunhão com o Pai.

De tudo o que carecemos, o que mais desejamos é a paz interior, capaz de nos trazer alegria e felicidade. Paz interior pode ser definida como a absolutacerteza de estar no lugar certo, na hora certa. Crer, pela fé apenas, que eu estou onde Deus quer que eu esteja. Crer, ficar em paz e não depender das circunstâncias externas para obter paz interna.

Não andem ansiosos por coisa alguma. Nem com o que haverão de vestir, nem com o que haverão de comer. Nem com quem haverão de viver. Deixe que o amanhã traga os seus próprios cuidados. Basta para cada dia o seu próprio dia, o seu bem e o seu mal.

——

Filme muito antigo, contudo, ainda muito verdadeiro e inspirador.
Uma imperdível obra-de-arte.

Share

3 comentários em “A alegria não está nas coisas.

  1. Nossa, que lindo. Acho que esse foi o mais simples e inspirador, de verdade, texto seu que já li. A Beleza de tanta simplicidade realmente me encantou q me fez pensar sobre minhas escolhas e como coisas e sentimentos ruins podem ser facilmente suprimidos e extintos pela presença de Deus no coração!
    Obrigada.

  2. Bom texto, cada um sabe o q necessita para se auto completar.. mais naum eh da boca pra fora que se descobre isso, acredito q seja qdo estao sozinhas q os desejos aparecem! nao existe agua suja pra quem tem sede, nem comida ruim pra quem tem fome, do mesmo modo q provavelmente nao exista ateu no leito de morte!

  3. Ótimo texto! Retrata bem vários sentimentos meus… A minha antiga busca pela felicidade com base em um objetivo (quando entrar na faculdade, quando tiver um namorado…), a busca pela paz interior e minha luta para fazer com que ela não dependa (tanto) das circunstâncias externas, paz interior faz diferença, e muita. E atualmente minha ansiedade de recém formada, e fui ler este texto no fim de um dia que andei a cidade toda (BH) para entregar currículos… e a ansiedade vai tomando conta… Daí leio isto: “Não andem ansiosos por coisa alguma. Nem com o que haverão de vestir, nem com o que haverão de comer. Nem com quem haverão de viver. Deixe que o amanhã traga os seus próprios cuidados. Basta para cada dia o seu próprio dia, o seu bem e o seu mal.” Realmente, este texto veio na hora exata! =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website