Herança de Natal

O psicólogo americano Abraham Harold Maslow propôs no século passado que o ser-humano possui uma hierarquia de necessidades, cuja base é formada por necessidades fisiológicas primárias, as quais seguem sofisticando-se. Quando todas as necessidades de amizade, carinho, conforto, alimentação, moradia e auto-estima estão satisfeitas, chega-se ao topo desta pirâmide, onde está a necessidade de “realização pessoal”.

Todos nós queremos ser realizados em nossas vidas e para isto acordamos cedo, vamos e voltamos, matriculamos e planejamos, compramos, vendemos, alugamos. Muitos enxergamos na auto-realização um caminho para a tão procurada e nem sempre localizada “felicidade”. Para nós é frustrante passarmos por este planeta com a certeza plena que fomos absolutamente insignificantes para o curso da sociedade e que daqui nada levaremos.

No afã de deixar marcas ou registrar sua passagem, homens constroem pontes e torres e nelas descerram placas com seus nomes. Fundam empresas ou universidades com os nomes de suas famílias e fincam seus bustos de bronze no alpendre. Pirâmides foram construídas, panteões erigidos e jardins suspendidos por reis de civilizações que sequer existem mais. As etnias que hoje habitam os territórios dos antigos egípcios, dos clássicos gregos e dos históricos babilônicos nada têm em comum com aqueles povos, já extintos. Toda a sabedoria e poder daqueles povos de outrora existem hoje apenas nos livros.

Fato é que todos passaremos e que os nossos feitos de hoje talvez sequer sejam lembrados amanhã. Certamente que em 1000 anos a linda casa que você construiu com carinho não mais exista e todo o seu esforço construindo um patrimônio terá sido correr atrás do vento. Tudo passa. Salomão diz em sua sabedoria que não faz sentido correr toda uma vida para deixar bens materiais como herança para quem você nem sabe como a usará. Correr atrás do vento.

O ditado popular afirma que todo homem deve ter um filho, escrever um livro e plantar uma árvore. Este clichê aponta para a necessidade de se registrar a nossa existência. Deixarmos alguma marca. Mas árvores existem aos montes e mesmo que não plantemos uma, a prefeitura o fará e mesmo que escrevamos um livro, não sabemos se nossas idéias são relevantes a ponto de se derrubar uma árvore para registrá-las no papel.

De todo nosso trabalho, o que certamente ficará é aquele que ao mesmo tempo é o mais prazeroso e doloroso: Filhos.

A melhor herança que podemos produzir não são bens para a subsistência dos nossos filhos, mas filhos que sejam um bem para a existência humanidade.

Ter filhos é ao mesmo tempo alegria e dor. Sorriso e lágrimas. Certezas e dúvidas. Ter filho é um ato de coragem que nos enche de medo. Educar filhos que sejam relevantes é o maior de todos os desafios que alguém possa almejar.

Filhos são folhas em branco nas quais escrevemos uma carta ao mundo. O desafio é escrever poesias que façam da vida algo leve, e não roteiros que dariam excelentes filmes de terror ou dramas dignos de Oscar.

Muitos investem suas energias relendo o que seus pais ou a existência escreveram em suas vidas e excomungam muitos capítulos mal redigidos que viveram. Até Deus exorcizam, por Ele ter escolhido autores tão amadores para escreverem suas novelas existenciais. Contudo, nosso foco deve estar no próximo capítulo, não no ontem, pois podemos ter a chance de reescrevermos em folhas brancas histórias com trechos menos traumáticos. No fim de tudo, você pode vir a ser um best-seller. Sua história ainda está sendo escrita.

A Bíblia diz que os filhos são “herança de Deus” e eu acredito nisto. São as melhores heranças que eu poderia receber e sei que serão as melhores heranças que neste mundo eu poderei deixar.

Atualmente muitas pessoas das classes médias estão retardando a maternidade e a paternidade. Alguns julgam ser importante primeiro “construir” um patrimônio ou capital profissional para darem conforto aos herdeiros (e a si mesmos). Outros, inebriados pelos inesgotáveis prazeres oferecidos por farto entretenimento (viagens, festas, lazer…), optam por prolongarem ao máximo a juventude, retardando o casamento ou a maternidade. Estas decisões não são um problema em si, pois não há certo ou errado nestes cálculos pessoais que o livre-arbítrio nos concede, contudo, uma ou outra decisão terão suas naturais conseqüências.

Filhos cedo demais podem significar uma interrupção prematura da juventude devido ao excesso de responsabilidades familiares. Querer ter filhos tarde demais pode significar a impossibilidade de engravidar, uma gestação de risco ou pais que se comportam mais como avós, criando conflitos de geração lá na frente.

Contudo, sendo prematuro ou tardio, digo, no que depender de você, seja corajoso e tenha filhos. Digo mais, desafie-se a neles escrever lindos poemas para que, quando eles não mais seus sejam, como “flechas atiradas da mão de um guerreiro”, risquem seus próprios caminhos e alegrem a vida de outros, assim como você também é um poema que a outros alegra.

Retomando sobre a extinção dos grandes impérios, que citamos no início do texto, li anos atrás na revista Exame, que dos nove fundadores da poderosa FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), grandes magnatas do século 20, apenas um terço deles prosperou e manteve o negócio original. Portanto, em 80 anos, seis magnatas brasileiros e suas indústrias desapareceram sem deixarem rastros, seus herdeiros – netos e bisnetos – são hoje cidadãos comuns.

Nestes tempos em que os valores familiares estão cafona, meu desejo é que você, quando for bem velhinho, não tenha um Natal solitário, mas próspero em filhos, netos e bisnetos. E mesmo que nenhum deles recite algo, você possa olhar e “ouvir” sendo recitado o mais lindo dos poemas por meio das vidas deles, e você, com lágrimas nos olhos, estará rindo, transbordando de realização pessoal, pois saberá que é o co-autor de cada frase, herança para a humanidade.

De fato, a maior herança que Deus deixou para a humanidade foi seu filho, Jesus, o mais lindo dos poemas que possa ser recitado.

Feliz 2012!

—————————————

Agora uma música bonita.

LETRA EM INGLÊS:

Welcome Home
Sleep don’t visit, so I choke on sun
And the days blur into one
And the backs of my eyes hum with things I’ve never done

Sheets are swaying from an old clothesline
Like a row of captured ghosts over old dead grass
Was never much but we made the most
Welcome home

Ships are launching from my chest
Some have names but most do not
If you find one, please let me know what piece I’ve lost

Heal the scars from off my back
I don’t need them anymore
You can throw them out or keep them in your mason jars
I’ve come home

All my nightmares escaped my head
Bar the door, please don’t let them in
You were never supposed to leave
Now my head’s splitting at the seams
And I don’t know if I can

Here, beneath my lungs, I feel your thumbs press into my skin again

——————

LETRA EM PORTUGUÊS:

Welcome Home
O sono não visita, então eu engasgo com o sol
E os dias se borram em um
E os meus olhos se surpreendem com as coisas que eu nunca fiz

As folhas são balançadas em um velho varal
Como traços de fantasmas capturados sobre a grama velha e morta
Nunca foi o bastante, mas fizemos o máximo
Bem vindo ao lar

Os navios são lançados do meu peito
Alguns têm nomes, mas a maioria não
Se você encontrar um, por favor, deixe-me saber qual parte eu perdi

Curar as cicatrizes das minhas costas
Eu não preciso mais delas
Você pode jogá-los ou mantê-los em frascos de seus vasos
Eu vim para casa

Todos os meus pesadelos escaparam da minha cabeça
Barre a porta, por favor, não deixe-os entrar
Você nunca deveria ter saído
Agora minha cabeça está rachando nas emendas
E eu não sei se eu posso

Aqui, debaixo dos meus pulmões, eu sinto a pressão dos seus dedos em minha pele novamente

Share

4 comentários em “Herança de Natal

  1. Meu querido “Papi”,

    Obrigada por ser forte e reconhecer que Deus te emprestou uma filha e que é hora de entregá-la de volta a Ele.
    Meus parabéns pelas lindas palavras que você gravou nessa página que, um dia, já esteve em branco.

    Mesmo que esse Natal você não possa me dizer “Welcome Home”, fique tranquilo. Estou em boas mãos.
    (And, who knows, maybe someday in the future you’ll be welcoming your grandchildren into your house for Christmas.)

    Eu te amo.
    Com carinho,

    Sua filha.

    • Minha querida filha!

      Você é motivo de muito orgulho. Sou muito grato a Deus pois Ele me deu muito mais que eu poderia querer ou imaginar de uma filha!

      Que a sua vida possa ser um lindo poema para alegrar este mundo… Por todos os lugares que você tem passado e ainda passará!

      Beijo e te amo demais!

      “Papi” Luciano Maia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website