PERDAS E DANOS

JulietteBinoche

 

Todos desejamos. Desejamos coisas boas. Desejamos saúde. Desejamos bens materiais (para nosso conforto físico ou emocional), uma vida tranquila, bênçãos, um casamento que seja alegre e satisfatório. Um futuro de paz!

Faz parte da natureza humana querer o bem e buscá-lo para si e para os seus. Os mais altruístas o buscam para todos.

 

Deus se alegra em nos conceder o bem que desejamos! De fato, Ele nos concede o bem nesta terra.

 

Mas se desejamos é porque não temos, posto que o que temos não é mais desejado, mas realizado. Todo desejo é filho da falta.

 

Nunca deixamos de desejar, o que significa que sempre estamos sentindo falta. Aos que tudo tem, têm ainda este sentimento, sentem falta de algo que não sabem o que é, assim, vivem uma angústia existencial, pois desejam o indefinível – sentimento miserável.

 

Desejar é bom. Alcançar a realização do sonho ou objeto do desejo é ótimo. Como é gostoso segurar nos braços ou na alma o fruto do desejo, já realizado. A primeira experiência humana é o peito materno. A falta de alimento gera fome, o peito sacia. Não é difícil aprender a receber. Desde cedo recebemos e a infância é recheada de desejos realizados: alimento, colo, sono… Ao mais afortunados adicionemos: brinquedos, passeios, festinhas…

 

Entretanto, apesar de estarmos prontos para recebermos realizações de sonhos, desejos e necessidades, nem sempre estamos prontos para perdê-los. Sim dito foi que Deus nos concede o bem nesta terra, mas aqui, tudo é passageiro.

 

A perda não está em nossa programação genética. Nem sempre aprendemos a perder, contudo, a perda é parte tão integral da vida quanto o ganho.

Ganhamos o Éden mas o perdemos depois.

Todos perderemos durante a nossa vida:

  • Amigos passarão.
  • Pessoas voarão.
  • Nossos pais deixarão esta vida – provavelmente antes de nós.
  • Demissões acontecerão.
  • Confianças serão traídas.
  • Amores serão enterrados.
  • Saúde não é perpétua.
  • A beleza física, para desespero de alguns, será irremediavelmente perdida, murchará como a erva do campo, como já alertava Salomão: “Enganosa é a beleza e vã a formosura”.

 

Já que todos desejamos, um desejo há o qual nunca se realizará, o de nunca perder.

Todos passaremos por processos de perda e isto não é fácil. Deve ser aprendido. Estamos prontos para ganhar um filho, mas nem sempre para perder os pais. Prontos para sermos promovidos, mas nem sempre para sermos demitidos.

 

Jesus nos dá algumas dicas para que as perdas que escreverão nossa história sejam menos dolorosas, mas a que agora destaco é o fato de Ele plantar na alma humana a “esperança do porvir”, definida na fé da vida após a morte: Não somos deste mundo, mas apenas estamos neste mundo.

Quando entramos no raciocínio de Cristo, não nos apegamos demasiadamente a esta vida, já que ela é passageira, portanto, esta vida É POR DEFINIÇÃO UMA PERDA ANUNCIADA. Mas a outra vida é uma vida sem perdas, apenas de ganhos, posto que É UMA VIDA ETERNA.

Daí Jesus insistir: “Não ajuntem tesouros na terra, [onde há perdas] onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntem tesouros no céu, [onde não há perdas] onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.”

Mas por quê? Jesus sabiamente nos dá uma informação valiosa sobre a alma humana:

“Porque onde estiver o seu tesouro, aí estará também o seu coração.”

 

Se o seu tesouro for a sua beleza física, o seu envelhecimento não será um prazer, mas uma grande dor.

 

Se o seu tesouro for a sua posição social, posto que o mundo não pára de dar voltas e o poder mudar de mãos, as próximas rotações te farão enjoar e vomitar.

 

Se o seu tesouro “eram” suas belas ações na bolsa de valores, seu sono já está comprometido, pois onde estava o seu tesouro ali também estava o seu coração.

 

Se colocamos nosso coração num tesouro que está no céu, as perdas desta vida tornam-se mais simples e menos dolorosas.

 

De fato não estamos vendo este tesouro do céu, aceitamos este mistério pela fé apenas. Veja como isto é lindo: a angústia da perda sendo curada pelo simples ato de mudar o foco.

 

Jesus nos ajuda a mudar o nosso foco do mundo temporal-material para o mundo eterno-espiritual e assim vivermos menos angustiados ante as muitas perdas que nos alcançarão neste mundo de ganhos e de perdas, de “perdas e danos”.

Esta vida é boa, mas não é o fim em si mesma, portanto, vamos torcendo para que a gente consiga ir mudando nosso foco para cantarmos juntos assim: “Lá esta o meu tesouro…”

 

_________________________

 

Hora da arte! Uêba!

 

Oren Lavie é um jovem muito talentoso. Este israelense é músico, diretor de cinema, além de “otras cositas más”. Este filme, todo rodado em stop-motion (técnica que eu adoro), foi escrito e dirigido por ele para ser o clipe da linda música Her Morning Elegance, também composta por ele. O vídeo converteu-se em hit na internet, sendo o segundo viral mais enviado como anexo em todo o mundo nos últimos trinta dias, com quase DOZE MILHÕES de exibições… Uau!
Mandei pra minha amiga “goiani(vien)ense” e virou a trilha sonora dela em fevereiro.

 

A letra é linda e fala lindamente de uma moça que, como alguns de nós, luta por sua vida e para vivê-la de maneira poética. Vimos acima que para viver uma vida de pura poesia, um segredo é ajuntarmos tesouros na outra!
Share

18 comentários em “PERDAS E DANOS

  1. Oi Luciano,
    Deus abençoe teu dia! Sim… eu desejo que nosso foco seja sempre na vida eterna e que nada no caminho nos faça desviar desta Vereda.
    Beijos na Simone e nas crianças,
    Andréa

  2. Amado e estimado pastor Luciano, a doce paz de Cristo seja sobre sua vida que com tão doces palavras me encontra nesta tarde. A palavra liberada vem ao encontro do meu coração, permita-me contar-lhe uma experiência:

    Sim é verdade ” Todos desejamos coisas boas entre elas os bens materiais como citado, regado de saúde alegria e tranquilidade. Era exatamente o que eu particularmente vinha pedindo ao meu querido Deus e em especial que algo acontecesse em minha vida financeira, que eu fose po Ele agraciada com um salário uma vez que o trabalho ja o tenho e de forma bem exaustiva porém prazerosa.

    Há uns 15 dias atrás, num domingo chuvoso, ao me preparar para o culto da noite, meu esposo saindo para o trabanho, com a chuvinha gostosa caindo, fomos supreendidos com um estrondo! Era um raio que caiu bem em frente ao meu portão que tem um poste de energia elétrica na frente. Com a queda do raio veio um susto e meu esposo voltando branco como neve para contar o livramento de Deus. O raio quase o acertou, “quase” pela graça de Deus. Ele voltou todo molhado para se certificar se conosco estivesse tudo bem. Sim estávamos todos bem e em segurança, agradecemos a DEus e ele em paz retornou ao seu caminho rumo ao trabalho. Eu fui para o culto ministrei a palavra, uma benção! O culto foi à Luz de velas pois a enegria faltou.

    Quando chegamos em casa percebemos que praticamente tudo o que tínhamos havia queimado com o a queda do raio na rede elétrica. Lá se foram muitos dias de trabalho, suor, abnegação de passeios e festas. TV,DVD,computador,Telefone, enfim, uma lista bem intrigante. Num primeiro momento veio uma tristeza e preocupação pois nada daquelas perdas estavam orçadas. Mas cofiando neste Deus que nos fez lembrar: “Não ajuntem tesouros na terra, [onde há perdas] onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntem tesouros no céu, [onde não há perdas] onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.”

    Entendemos que o maior dos nossos bens havia sido poupado. O meu esposo, o pai da Rebeca e da Sarah. É com lágrimas de alegria que recebo, amado pastor, suas palavras de amor e reflexão, pois aqui nesta vida tudo passa, e enquato o material nos for tirado temos como recolocá-los e restituí-los.

    Não quero mesmo ter apegos às coisas desta terra, pois a vida é muito mais valorosa e servir a este bondoso Deus em meio às perdas nos faz simples e fortes.

    O meu Tesouro esta no céu!

    Que o bondoso Deus continue te abençoando e te inspirando em amor e graça!

    Um grande abraço!!!

  3. Caro Luciano,

    Como e bom escutar suas palavras, mas o mais importante e sentir falta deste amigo que admiro muito, e saber que voce preservou o email de alguns verdadeiros amigos. Quero muito bater um papo com voce e saber, onde anda e que esta fazendo. Manda seu telefone que eu te ligo.

    Rogerio Estrazulas

  4. Muito bacana mesmo essa msg.

    A recíproca com certeza é verdadeira.
    Nalva Santos

  5. Pensando aqui: não está errado desejar. Mas não é um desafio desejar e não se apegar? Que mistério!
    Me considero uma pessoa “queredora” (estou sempre querendo tanta coisa…), mas acho que é possível não ficar apegada ao desejado, mesmo quando o temos (o desejado).
    Não vejo o desejar como uma coisa ruim. Mas às vezes o desejo faz a gente sofrer e é importante a gente pensar nisso…

    Valeu, Lu!!

    Beijo
    Renata

  6. ” Em alguns momentos de nossa existência, congela o rio da nossa vida. Congelado ,o amor não circula mais. É por isto que temos necessidade de estarmos juntos, que temos necessidade de amigos em nosso caminho espiritual.É para que eles aproximem do nosso rio congelado a chama de sua afeição. Para que o rio da vida possa de novo correr através de nós.”

    Lu, obrigada pela mensagem PERDAS E DANOS. VOU IMPRIMIR E ENTREGAR PARA O MEU PAI LER TAMBÉM.

    BEIJOS,

    VIVI.

  7. Lu

    Gostei da parte . . .
    “Desejar é bom. Alcançar a realização do sonho ou objeto do desejo é ótimo” rsrsrsrsr
    Quanto ao perder(sonhos desejos,etc) . . . faz parte. Concordo que não é fácil. Mas logo vem outro desejo e outro . Novos desejos e ganhos vão amenizando as dores das perdas. Perder não é o pior, pior é não saber o que se deseja (aquela falta/saudade sei lá de que) este realmente é um sentimento miserável.

    Quanto ao restante do texto . . . .profundo demais para minha cabeça.

    Um cheiro

    Dulce.

  8. ola pastor gostei do perdas e danos mas ainda vou ler mais pra tirar de la meditaçoes ok? e se eu conseguir coisas boas vou postar ai vc aprove ou nao blz? sou de tres lagoas ms….

  9. Boa tarde Pastor Luciano….

    Que texto reanimador! Como eu precisava de algo assim hoje! Tive que sair para fazer uma compra (coisa que ando evitando fazer, porque estou sem emprego e o fato de ir as compras sem dinheiro me deprimi, rsrsrsrs….). Chegando no local fui logo vendo um sapato lindo na vitrine e fiquei apaixonada e ao mesmo tempo muito triste por não poder adquiri-lo. Vim embora pensando que coisa mais triste não poder comprar, não poder realizar os desejos e confesso que a tristeza invandiu o meu coração profundamente. Assim que cheguei em casa resolvi abrir o meu e-mail e li a mensagem de Perdas e Danos e como meu coração se alegrou imediatamente! A palavra de Jesus sobre armazenar tesouros no céu é o que de fato importa (como um mero par de sapatos foi capaz de tirar minha alegria? rsrsrs…..) Após essa leitura pude refletir o quanto as vezes perdemos o foco e deixamos que o querer tudo o que se vê se torne mais importante do que se preocupar com o que de fato importa. Que busquemos então armazenar nossos tesouros no céu.

    Obrigada Luciano por suas palavras profundas e reflexivas. Que Deus te abençoe.

    Rozana

  10. Sua reflexão é bem-vinda, do ponto de vista da espiritualidade. Do ponto de vista da fundamentação filosófica ficou no ar algumas indagações que passo a considerar. 1. O tema da falta, e do desejo, é tema recorrente em Platão. Faltou fazer referência a essa vertente de pensamento de índole filosófica, mesmo num texto de espiritualidade.

    2. Essa discussão milenar, para ser mais preciso, está posta no Diálogo "O Banquete" de Platão, e nela, o filósofo definirá o desejo (epithimia) como uma falta que morre com sua realização. Como diria Heidegger: “a realização de um desejo é a morte do desejo”. Ou seja: você nunca satisfaz plenamente um desejo visto que a natureza humana é dotada, ao mesmo tempo, de insatisfação. O desejo é inatingível em sua realização integral e permanente.

    3. Esse raciocínio platônico nos conduz, se levado a sério, a um paradoxo. Somos seres desejantes, se nunca teremos a posse real e efetiva das coisas, da felicidade, do bem supremo, ainda que num átimo de segundo, por que então desejar um desejo que jamais será satisfeito num minutinho sequer? É como o cão que corre atrás de sua cauda sem poder jamais alcançá-la.

    Viver e se mover, dentro desses contornos conceituais, gera desespero, apatia, inquietação, como acentuou Comte-Sponville, em "A felicidade desesperadamente". Mesmo que a gente não realize todos nossos desejos, o que move a locomotiva da vida é o desejo, mesmo que nunca obtenhamos aquilo mesmo que tanto desejamos. É ele que nos empurra pra frente, que nos retira do sono letárgico, que nos cura da apatia (falta de vontade) ainda que sabedores de nossa limitação.

    4. O ponto mais delicado, no entanto, é o que me leva a esperar tão somente por uma felicidade, portanto um gozo efetivo e total, tão somente numa vida-além-desta-vida, numa ordem supramundana, e, como conseqüência, tal perspectiva me leva a rejeitar tudo o que nesta vida, mesmo que precariamente, me proporcionar bem-estar, alegria e alento para a alma, como a virtude, a família, a igreja, a amizade, enfim.

    No dizer de Woody Allen, citado por Comte-Sponville, “como eu seria feliz se fosse feliz”. Creio que Deus não nos criou para sermos infelizes, uma prova disso que enviou seu Filho ao mundo para nos garantir o Shalom, que excede a toda compreensão e todo entendimento, apesar da fugacidade e "superfluidade" da vida.

    Quanto às perdas, concordo plenamente com você. E achei belíssima a consideração da Renata. a questão não é perder, já que toso perdemos em algum momento da vida, é desprender-se daquilo que pode, como você bem disse, comprometer o nosso coração. Abraço

    Tavernard Jr.

  11. A melhor parte se tratando de desejos, é que a maioria dos desejos q temos é de algo q não podemos controlar, ou que provavelmente irá nos corromper. Poder..dinheiro… fama.. todas estas coisas soh acabam por denegrir a imagem real de nos mesmos. A sociedade atual manipula todas nossas vontades, a ponto de querermos cada vez mais pra nos mesmos e esquecermos de querer bem pra todos! Eu não espero mais ir para o “céu”… no entanto nem por este motivo deixo de fazer o bem.. nao importa a quem =)..

  12. Esta palavra me faz lembrar de uma frase que gosto muito, de Edwin Cole: “Há um descanso naquilo que é eterno, que nos liberta do fardo daquilo que é temporal”. É isso aí!

    Fique na Paz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website