PRISIONEIROS DA PRÓPRIA MENTE

Por Rodrigo Alcântara
Estar alienado, tenho para comigo, é um dos maiores castigos já impostos para um homem condenado.
E  quando digo “alienado” não  me refiro somente a uma alienação física, como um cárcere, uma prisão domiciliar ou mesmo ficar ilhado numa enchente. Tudo isso é muito terrível, eu concordo.
Porém, a maior das punições já vivida por um condenado é ficar com a mente alienada.
E mente alienada é uma mente isolada dos fatos. Destituída de sentimentos, das novidades, de amigos, do correto, da vida. Uma mente oca ou como minha avó diria, uma “oficina do diabo”.
E o pecado nada mais é que estar alienado. Alienado de Deus. É escolher estar distante de um Deus onipresente. Um paradoxo possível.
Concordo com Franklin Roosevelt quando disse que:

“Homens não são prisioneiros do destino, mas sim de suas próprias mentes (alienadas).”

Mas a pergunta que talvez façamos é como nos tornamos alienados?
Posso dizer que nos tornamos alienados quando idolatramos nossas convicções como única verdade. Idolatramos nossas cobiças.
Homens mesquinhos são prisioneiros de suas cobiças. Prisoneiros de suas idéias, de seus desejos, de suas vontades. E consequentemente prisioneiros da própria mente.
Séculos atrás, Tiago, identificado curiosamente como meio-irmão de Cristo, deixa-nos registrado uma sincera afirmação a respeito da cobiça:

“(…)Cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz.  Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte”

O pecado, a consequência da cobiça, é o se “alienar”. Se alienar da Verdade. Se alienar da Vida. Se alienar do que é justo e correto.
Portanto, tomemos cuidado com o que cobiçamos. Porque a cobiça é a “isca” que te atrai para a morte certa. É aquela que te seduz e nos leva ao matadouro. É aquela que nos aliena da Vida Viva.
Viver de verdade é não deixar que nossa cobiça nos mate asfixiados e retire nosso mais precioso bem: O fôlego da vida.
Rodrigo Alcântara
Share

Um comentário em “PRISIONEIROS DA PRÓPRIA MENTE

  1. Excelente reflexão, bom foi ter aprendido com vc meu amigo .
    Deus-o abençoe sempre. Abss

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website