QUER UM CASAMENTO FELIZ? (tome uma aspirina antes de ler)

A internet tem um poder de pulverização incrível. Um simples blog como este é lido mensalmente por milhares de pessoas país a fora. Recebo, portanto, muitos e-mails e mensagens de leitores que querem conselhos, dos mais diversos tipos. Contudo, um dos conselhos mais solicitados é para a área conjugal e amorosa. Todas as pessoas têm muitos tipos de problemas: financeiros, familiares, médicos, profissionais… Mas eu diria que 90% das mensagens que me chegam são de pessoas querendo conselhos amorosos ou conjugais, normalmente com o casamento já aos frangalhos.

Duas coisas me ocorrem. A primeira é que, por mais que estejamos no século XXI, sermos ‘modernos’ socialmente e altamente tecnológicos, o ser humano ainda não aprendeu a se relacionar. Ao contrário, parece que a sociedade está desaprendendo a conviver de forma sadia. Princípios básicos da vida conjugal foram perdidos, ou pela falta de bons exemplos (já que a geração anterior casou-se e descasou-se aos borbotões) ou porque as pessoas acham careta ser como a vovó era e propõem-se a viver num estado de modernismo o qual defendem, porém não conseguem suportar por muito tempo suas próprias convicções.

Sou muito criticado porque não sou um pastor careta. Os religiosos gostam de pessoas caretas. Amam pastores caretas, pois se preocupam mais com a aparência do que com o conteúdo, já que religião é um código de conduta. Ao contrário, Evangelho é liberdade (“Foi para liberdade que Cristo vos libertou…”). Detesto caretice e tendo afastar-me destas pessoas. Não sei por que, mas tenho a impressão que os religiosos são todos uns sepulcros caiados e por obediência ao meu Mestre, eu sigo esta ordem: “Acautelai-vos do fermento dos fariseus…”. Eu fujo de fariseu. Isto posto, fico à vontade para afirmar: casamento feliz tem de estar submisso a princípios bíblicos (que hoje são considerados caretas). Eu procuro seguir estes princípios (nem sempre com total sucesso) e os defendo. Chame-me de careta, se quiser… Vou fazer neste artigo apologia a apenas dois princípios:

 

1) JUGO DESIGUAL:

“Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos…” I Coríntios 6.14
Este versículo não trata do matrimônio, mas trata principalmente das sociedades civis e contratos comerciais, orientando que o seguidor de Cristo deve abster-se de realizar sociedades com incrédulos. Não por questões místicas, mas por questões práticas, já que o jeito de fazer negócio e a ética que os norteiam serem, por definição, distintos. Contudo, este versículo fala de um princípio espiritual: luz e trevas não combinam. Em minha carreira conheci alguns casais bem alinhados que professam fés distintas. Entretanto, não é a regra; a maioria dos casais em jugo desigual passa por crises severas ou mesmo separações.

O jugo espiritual desigual, constato, é sempre um ponto de tensão, pois são duas pessoas que enxergam o mundo de forma diferente. Um acha que este mundo é real, mas o cristão já tomou a pílula vermelha é já sabe que vivemos numa grande matrix e que o mundo real é outro. Um quer o lucro aqui, o cristão sabe que o verdadeiro tesouro está no céu… Céu é um conceito que o primeiro sequer acredita nele. Os planos não ficarão alinhados, as expectativas serão distintas, a forma de atravessar por crises estarão em desacordo, a motivação pela vida é diferente (assim como a expectativa pela morte)… Até o tipo de educação que ambos quererão transmitir para os filhos serão motivo de choque.

Enquanto houver muita paixão, muito tesão e muita paciência, a relação se sustenta, mas como estas coisas tendem a esgotar-se… Assim, recebo várias ‘cartinhas’ de inúmeros cristãos e cristãs choramingando por sua decisão errada de ajuntarem-se com alguém que não compreende que com Cristo ganhar é perder e perder é ganhar. Para o mundo somos loucos! Para se ter mais chances de sucesso, é melhor que louco se case com louco!

Depois de feito, apóstolo Paulo diz que Deus não garante que seu cônjuge incrédulo se converterá: “Porque, de onde sabes, ó mulher, se salvarás teu marido? ou, de onde sabes, ó marido, se salvarás tua mulher?” I Corítios 7.16.

 

2) TRABALHO MASCULINO:

Este é outro princípio totalmente careta!

Minha Simone está lendo “O Segundo Sexo”, escrito pela outra Simone, a de Beauvoir; basicamente, esta obra é a bíblia que inspirou os principais movimentos feministas do século passado. Mulher buscando igualdade de direitos. Minha Simone é mulher moderna! Executiva de companhias multinacionais, profissional requisitada e bem sucedida. Não depende de homem para nada. É casada porque quer, não porque precise de um homem.

Eu sou feminista, pois sou a favor de igualdade civil para ambos os sexos!

Simone conversava hoje com um missionário que não trabalha, mas vive de ofertas de sua igreja. Até aqui, nada de errado! Contudo, ele tem o “coração na obra” e ela… Nem tanto: a esposa dele trabalha formalmente, sendo ela a maior fonte de renda da casa. Como o casamento deles está passando por conflitos, Simone disse ‘na lata’: “Sua mulher está em crise pois nenhuma mulher quer sustentar homem. Mulher até pode não trabalhar, mas se o homem não trouxer dinheiro para dentro de casa, qualquer mulher se incomoda! Ela não é missionária, só você! Esta estória de direitos iguais é papo-furado. As mulheres não assumem isto para fingirem ser modernas, mas o que elas querem mesmo é serem cuidadas e protegidas… Como sempre foi…”

Creio que este é um princípio: Quer um casamento feliz? Que o homem trabalhe e traga dinheiro pra dentro de casa para sustentar a família. Ignore o discurso modernista de direitos iguais, pois vale somente para direitos civis. Pronto, falei! Chame-me de careta. (“Mate-me logo, à tarde, às três. Pois a noite tenho um compromisso e não posso faltar… Por causa de vocês.” Belchior)

Ri muito quando anos atrás uma senhora comentando sobre um casal onde o homem não trabalhava. Ela disse: “Mulher não é rola* para comer areia!”.

Todos passamos por altos e baixos em nossas carreiras profissionais. Isto é normal. Já houve momentos em que ganhei mais que minha esposa e momentos que ela ganhou mais que eu. Coisas da vida! Mas, homens, trabalhem, esforcem-se, estudem sempre, busquem melhoria em suas carreiras, não se acomodem. Não se casem se não tiverem condições de sustentar uma esposa e um filho. Não morem de favor. Consigam alugar ou comprar algo, mesmo que seja longe e minúsculo. Sejam um bastião. Homens, não fujam da responsabilidade de sustentar a família. Isto é um princípio para o casamento poder caminhar bem. Sim, sou careta!

Maridos, busquem ganhar mais que suas esposas! Para sustentar um discurso, talvez algumas fiquem bravas comigo por conta desta frase que eu acabei de escrever, mas certamente elas não ficarão bravas com vocês por ganharem mais que elas, mas até gostarão. Pronto, falei de novo!

Mulher, se seu namorado não é chegado ao trabalho (ou ganha muito menos que você), não o culpe após o casamento, pois a escolha foi toda sua. Assuma suas escolhas sem transferir responsabilidades.

Tenho um artigo onde trato com detalhes deste tema, inclusive dando dicas preciosas para os casos quando a mulher ganha mais. Leia o artigo que esta neste endereço: http://www.cafecomdeus.com.br/crise-conjugal-ii-grana-ou-sexo/

Escrevi este artigo baseado em números. Eu diria que 90% das mensagens que me chegam via este blog são de pessoas que estão com o casamento, normalmente, aos frangalhos, querendo conselhos conjugais. Leio as mensagens e vejo que a raiz de muitos dos problemas relatados são questões financeiras do marido ou jugo religioso desigual…  Dois princípios que, se observados, minimizarão conflitos e servirão de base para relacionamentos menos tensos, mais felizes e equilibrados.

*Rola ou rolinha é um pequeno pássaro muito parecido com o pombo, que tem o hábito ciscar e bicar em montes de areia. Veja mais aqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rola

 

———————————————————————

E pra terminar, um comercial bem politicamente incorreto… Hehehe!

4 comentários em “QUER UM CASAMENTO FELIZ? (tome uma aspirina antes de ler)

  1. Vamos todos fingir que não é só porque eu fui criada pelo autor e pela Simone (a dele, não e de Beauvoir)que eu concordo com cada palavra desse texto. (:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website