RESPOSTA AO JUAREZ

Por Cristiano Queiroz*

(via Whatsapp)

 

[28/11 07:15] Juarez:

Bom dia. Imaginem o que nosso Deus poderá fazer por meio de nós no dia de hoje! Eu sempre fico na espera do diferente, do novo, do inesperado.  Ele é o autor da criação! Excelente dia para todos. Deixe Ele te surpreender! Faça um ato de amor por um desconhecido, profetize para algum conhecido, mande um whatsapp com mensagem bíblica para um familiar depois de orar por ele.

 

[28/11 09:59] Cristiano:

Amém, Juarez e a todos os demais irmãos a Paz. Exatamente em harmonia com o que o Juarez escreveu acima, posso dizer que ontem algo surpreendente aconteceu comigo e ainda estou entendendo esse momento.

Estava fazendo compras no Atacadão e procurando estar atento em Deus em como ser benção ao próximo. Ainda não é fácil pra mim abordar ao próximo, mas isso não pode ou deve me impedir de pedir ajuda a Deus, que mesmo apesar de mim, eu seja benção na vida de alguém que Ele quer abençoar naquele momento.

Enfim, tinha passado alguém por mim que me chamou a atenção no mercado, mas passou rápido demais e vacilei nas minhas desculpas de sempre. Sou uma vergonha! 😞🤣🙏🏼 Como disse, não é fácil mesmo pra mim, mas Jesus merece me vencer. Ele merece! 🙏🏼

5 segundos à frente e… tinha um cadeirante na minha frente, peso pesado demais pra mim,🤣 pois ainda estou engatinhando nessa realidade espiritual. Sempre desculpas da minha alma covarde. 😩

Mas como bem disse ontem e hoje meu amado tio Sésos em suas reflexões matinais, o Senhor é bom, e seu amor dura para sempre, e a sua fidelidade não tem fim. E ainda mais, o Teu amor é melhor que a própria vida e por isso eu Te louvarei.

Glória a Deus por isso!

Estava próximo de finalizar as minhas compras e ia acabar voltando pra casa nesse frustrante momento nada “bom-samaritano” de sempre. Mas o Senhor prevaleceu sobre minha fraqueza e alargou meu interior, alargou minhas fronteiras. (1Cr 4: 10)

Estava com uma camisa do Botafogo, nada externo que pudesse denunciar Jesus em mim. Logo vem um homem em aparência de pobreza e me aborda dentro do hipermercado. E com certa educação e respeito, ele é quem me aborda, meio que sem graça, pedindo comida pro seus filhos:

Ai meu Deus, eu estou passando por dificuldades, e com vergonha tendo que pedir ajuda. Não quero seu dinheiro, só gostaria que comprasse um pouco de pão e refrigerante pros meus filhos e esposa que moram aqui perto, na rua.

Nós já temos uma certa casca protetora pra esses assuntos. Geralmente não gosto de ajudar nessas circunstâncias, de tantas experiências mentirosas que já vivenciamos. Mas… acabei prestando um pouco mais de atenção naquele senhor, pois naquela rápida abordagem dele a mim, ele já estava na minha frente e dizia:

Estou passando por uma grande dificuldade e, só o Senhor sabe, só Jesus sabe, Jesus, Jesus, e ele começou a chorar na minha frente. Que cena! Fiquei constrangido e olhando pra mim, me perguntei. Porque esse homem foi abordar justamente a mim com essas palavras. Passei o dia pedindo a Deus que enviasse alguém a mim Acreditei que o Senhor o trouxera para mim dentro daquele mercado. Terminei as compras e comprei uma besteira de comida que ele me pediu, pois ele em nada quis aproveitar pra que eu comprasse algo mais além daquele pão e refrigerante pra familinha faminta dele. Só que lhe falei que queria ir lá aonde ele morava e se eu poderia orar por eles, afinal ele me disse que moravam ali próximo. Fiquei imaginando na loucura que eu estava fazendo, pois vai que aquilo era uma armadilha. 😲 Porém, falei pra Deus:

Agora é Contigo, nem que roubem toda a minha comprinha. Prefiro agir loucamente por fé, do que agora parar por medo. (Árvore da Vida X Árvore do conhecimento do bem e do mal)

Então fomos, botei ele no carro e pouca coisa à frente estava lá nos amigos dele. Ele me avisara que possivelmente seus filhos já teriam saído pra trabalhar, ou seja, cuidar de carros, coisas de quem vive na rua. Contudo, a esposa dele devia estar lá. Era numa grande garagem ao ar livre de ônibus no final da Asa Norte, e tínhamos um pequeno barraquinho, de 1,5m X 2.0m em madeira pintado de azul. Lá vi 2 senhoras, bem marcadas pela vida, do lado de fora em banquetes de madeira. Não aparentou ser a esposa dele, mas era pra eles 3 mesmo, no que eu me propus a crer, que eu havia sido enviado àquele momento. Fé! Louca fé!

Oramos! Muita tristeza e sofrimento. Perguntei o nome deles. Quanta carência além de uma simples comida. Quanta sujeira e miséria. Muita necessidade de Jesus.

Viviane, uma senhora que estava ali, pois estava sendo solidária a amiga que morava naquele barraco, era uma crente assembleiana desviada. Tinha feito a pouco tempo um enxerto no pé em hospital público, ajudada insistente por uma pastora. As cicatrizes das feridas estavam horríveis. Moscas rodeavam a ferida.

Oração por cura, é claro, e clamor por restauração e reconciliação no Senhor.

Jesus é meu melhor amigo, dizia ela. Eu quero voltar pra Deus. Soltou alguns palavrões, cuja ofensa voltava era pra ela mesma 😳, devido ao grande sofrimento e trauma com os próprios filhos de quem se sentia abandonada. Ou seja, falava que aqueles filhos da…

Me pediu perdão por aquelas palavras. Quem era eu pra julgá-la? Minha amiga, você só está desabafando tamanha dor, disse eu pra ela. É muito mais que ter educação. Ela se expôs na minha frente. Pegava minha mão e beijava, como quem estava exageradamente carente. 😭 Carente estou eu de compreender o Evangelho, de ser Luz nessas densas trevas.

Falou-me bastante, mas muito rápido, de sua vida. Percebi que ela passaria horas ali se expondo. Muito sofrimento, muita carência de atenção, de amor, de toque, de um simples carinho. Não me pediu nada de dinheiro, e em nada se aproveitou de mim. Mas me beijou, me abraçou, mesmo em sua “sujeira”. Mais sujo estou eu, nesse evangelho egoísta. Quanta impotência tenho, diante de problemas reais.

E ela me mostrava Maria, a amiguinha dela, de quem ela estava sofrida. Ela estava ali por ela, por causa do sofrimento dela.

Maria tinha os pés machucados, mão grossa de trabalhador em contraste com as minhas, que ela bem evidenciou quando acariciava minhas mãos. E uma grande cara de tristeza e sofrimento à minha frente. Olho esquerdo com uma catarata enorme. Oração por cura e milagre, com certeza! Um desejo ardente de poder voltar pra terra dela, se não me engano, o Piauí. Mais uma oração rápida então.

“Deus ainda vai me permitir voltar pra lá”.

Que loucura, esses “mendigos” só falavam de Deus, de Jesus, na minha frente. Isso é aterrorizador!

Maria estava depressiva. Lembrava da tristeza, como se estivesse visível bem ali na frente dela, e chorava. Seus dois amigos a consolavam. Deus está com a gente, Maria. Ele vai ajudar. As coisas vão mudar. Eu via cumplicidade entre eles. E é claro que não dá pra eu discernir as loucuras e maldades além daquela cena espontânea. É um mundo de grandes trevas. E minha luz, parece palito de fósforo diante desse terror. Ah Deus, tem misericórdia de mim!

Contudo, lá estava eu, sendo tocado por mãos sofridas. Era um encharcar de carinhos. Eu precisava voltar, tinha que terminar minhas compras. A carência deles não tinha fim. A minha capacidade, há muito já havia ido. E, Glória a Deus por isso! Era só o Senhor que podia reinar naquele momento. Na minha fraqueza, Ele se aperfeiçoa. Então Edilson, o senhor do mercado, estava ali clamando bem ao meu lado. Por favor, ore por mim. Ore por mim.

Eu tinha acabado de fazer orações curtas por eles 3, mas ele queria mais. Havia fé em seu clamor. Eu tinha fé também. 🙏🏼 Como não?! Orei para que Deus o restituísse. Ao orar lembrei da história de Eliseu, o rei e seu capitão, diante da grande fome em Israel no cerco dos sírios. (2Re 6: 24 – 7: 20). Profetizei sobre ele que o Senhor podia mudar sua história em menos de um dia. Loucura! Será que, por acaso, existe algo demasiado complicado para nosso Deus? Pode ser difícil pra minha fé, mas não pra Deus. E eu é quem não quero ser atropelado por falta de fé, de forma alguma, como o tal capitão. Então preferi profetizar essa loucura na vida do Edilson. Afinal, foi Deus quem me levou até eles, não foi?

Hoje, confesso que ainda estou processando toda essa loucura. Não é fácil discernir. Esse ambiente é muito diferente do que estou acostumado. Por isso escrevo esses jornais, pra não perder os pequenos detalhes, os sentimentos desse dia em que fui abraçado por alguns de seus pequeninos.

Eram anjos? Não sei. Tinham demônios? Possivelmente! Afinal, era uma tremenda miséria!

Mas nesse agora, sob o peso dessa reflexão, prefiro abrir mão de conceitos antigos, de minha religião morta, e quem sabe, ser acariciada por Deus através do improvável.

Eles estão carentes, mas mais carente sou eu, de que o Espírito Santo de Deus consiga me conquistar plenamente pra que Seu Filho possa reinar através de mim.

Tem misericórdia de todos nós Senhor. De mim, do Edilson e sua familinha, da Viviane e de Dona Maria, meu Pai. Essa é a minha oração nessa manhã.

E que Deus abençoe a todos vocês, que tiveram a perseverança de ler até aqui.

 

*Cristiano Queiroz é Chef de cozinha formado pela Cordon Bleu, pastor de uma comunidade cristã que se reúne nos lares, casado com Gisele, pai de Miguel e Gabriela, mas ele é, sobretudo, amigo.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website