Yoani Sanchéz, a verdade e a liberdade.

249806_1349487790_yoani_sanchez

Toda a celeuma envolvendo a visita da jornalista cubana Yoani Sánchez ao Brasil tem relação com a verdade. Afinal, o que ela fala em seus artigos sobre o seu país, Cuba, são verdades ou mentiras? Se forem mentiras, por que se tornou celebridade, posto a mentira com suas curtas pernas não sustentar-se ad aeternum? Se suas falas são verdadeiras, por que tais verdades são tão inconvenientes a ponto do governo ditatorial cubano negar-lhe liberdade de imprensa e de expressão? Os fãs sempre denunciam os críticos.

Há quase quatro décadas, Vladimir Herzog seguiu exatamente o mesmo caminho que Yoani Sánchez, só que no Brasil. Também jornalista, também vivendo sob um regime identicamente ditatorial, também produtor de artigos que criticavam as mazelas da ditadura, não teve a mesma sorte que Yoani Sánchez. Herzog foi morto aos 38 anos (mesma idade que Yoani faz este ano). A causa mortis de Vladimir Herzog foi falar verdades contra ditadores, claro que os ditadores e seus simpatizantes insistiam em dizer que era justamente o contrário: morreu por falar calúnias e mentiras demais. Os fãs sempre denunciam os críticos.

Há quase duzentas décadas, a história registrou outro protagonista que também viveu num regime ditatorial de opressão ao povo, que também falava o que pensava e não temia a força brutal dos ditadores de um regime autoritário.  Jesus Cristo, a exemplo de Herzog, também foi calado jovem. Os fãs sempre denunciam os críticos. Falava verdades demais, ou mentiras demais (segundo a opinião dos religiosos). Jesus não teve tanta sorte quanto Yoani, que encontrou liberdade de expressão e solidariedade internacional na força da internet. Assim ela expressa suas opiniões, que são mentiras para os de esquerda e verdades para os de direita.

A história nos aponta para o fato que perseguições ideológicas são mais frequentes contra pessoas que falam verdades e que denunciam disfarçadas mentiras oficiais.

Estes são três personagens que, em meio às suas brutais diferenças ideológicas, possuíam um robusto ponto de contato: pregavam doutrinas que denunciavam a cartilha ditatorial vigente.

Ideologia, eu quero uma pra morrer!

A verdadeira liberdade do homem não se encontra nas ideologias que foram batizadas genericamente como “de esquerda”. Tais comunismos, socialismos ou marxismos ocupam-se com uma utópica justiça compulsória, na qual a ausência de liberdades, as vendas e as mordaças são recompensadas com barriga cheia para todos.

A verdadeira liberdade do homem não se encontra no regime que a esquerda batizou de direita (o termo “capitalismo” foi criado por Karl Marx em sua obra O Capital, para definir o sistema econômico vigente desde sempre). O capitalismo, mesmo de braços dados com sua maior porta-voz, a democracia, jamais será capaz de dizer verdades, promover paz e dar liberdade verdadeira. A mais valia capitalista produz democraticamente muita pobreza e injustiça social mundo afora. Em nome do lucro sacrifica-se vidas. O deus “Capital” é reverenciado nos templos do investimento por especuladores, sacerdotes do capitalismo. Religião fedorenta.

“O mundo jaz no maligno”, afirmou Jesus Cristo. O mundo social-democrata também é mundo e também jaz no maligno. Capitalismos, democracias, socialismos, Hugos Chaves, Castros, Bush e Obamas, igualmente jazem no maligno. “Não há nenhum justo, nem um sequer!”. Lançar esperanças em regimes políticos e sistemas financeiros é inocência, para não dizer estupidez.

“E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”, disse Jesus Cristo. Logo após, ele disparou sem dó: “Eu sou o caminho, a VERDADE e a vida”. A ideologia de Jesus é a verdadeira verdade e a única capaz de trazer qualquer esperança e qualquer alento. Desista das tolices das religiões evangélicas, católicas, budistas… Homens vigiando homens… Leis e proibições humanas, ditaduras religiosas, tão ineficientes quanto as ditaduras políticas.

Instituições não se convertem por força de decreto, o que se converte facultativamente são as pessoas. Transforme o coração das pessoas e a sociedade se converterá.

Em Jesus há liberdade para ser quem se é! Em Jesus há verdade e a verdade é esta: ame o seu vizinho igualzinho você ama a você mesmo. O amor é a única verdade capaz de emudecer as guerras ideológicas que emudeceram milhões, Herzog e tenta emudecer Yoani. Se há amor, há justa distribuição de recursos, há paz, respeito às opiniões, há tolerância religiosa, ideológica, racial e sexual. Se há amor, há verdade e liberdade.

 

—————————————

4 comentários em “Yoani Sanchéz, a verdade e a liberdade.

  1. O que dizer quando se ataca uma ideologia por 3 parágrafos e a outra com apenas uma frase?? é uma pena que para chegar a mensagem de Jesus uma pessoa tem que ler a sua opinião sobre a sua ideologia preferida.

  2. sinceramente não conheço as idéias defendidas por esta moça, mas imagino que sejam de desejo de mais democracia. Sinceramente eu sei que a democracia é um grande valor, mas tambem sei que o Estado precisa agir em defesa dos pobres e oprimidos, contra a gangue do Sarney, Renam Calheiros, e toda uma peste que continuam defendendo seus interesses contra o da maioria.

  3. Excelente!!!! O seu estilo banalizante a fim de extaltar o sujeito principal da sua ideia eh admiravel!!!! Beijo

  4. Luciano,

    Todos são unânimes em condenar o regime militar brasileiro pelo desaparecimento de cerca de 300 pessoas, quando parte destes desaparecidos eram militantes muito antes da ditatura, financiados por Cuba e URSS para a implantação do comunismo no Brasil. Na revolução cubana uma das tônicas de Fidel era que Cuba precisava se livrar os yanques, para poder se desenvolver de fato.

    Pois bem, atualmente, depois de se “livrar dos yankes”, Cuba dispensa comentários sobre o atraso provocado pela revolução. O mais impressionante é que os 300 brasileiros desaparecidos se transmutaram em mais de 15mil indenizações, boa parte vitoriosa nas mãos do PTista Eduardo Greenhalgh (que acabou milionário com essa história). Como se não bastasse, o PT através de Lula associado a Fidel montaram o Foro de São Paulo para “implantar na América Latina o que foi perdido no Leste Europeu [comunismo]”. Enquanto isso não há Direitos Humanos (impregnados pelo marxismo PTista) no Brasil com a mínima vontade de denunciar o regime totalitário da ilha-cárcere, responsável por mais de 100mil desaparecidos (veja: http://www.memorialcubano.org). E a PTista “Comissão da Verdade” também dispensa comentários….

    A Yoani Sanchez foi até muito branda e romântica no livro “De Cuba com carinho” e agora experimenta a voracidade assassina do Foro de São Paulo. Veja que toda essa ditadura e ingerência nem sequer é questionada pelo Ministério Público e pelo pessoal dos tais Direitos Humanos (OAB etc). Por que será?

    Esse é o resultado do Marxismo Cultural.

    Marlos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website